terça-feira, 5 de junho de 2018

O olhar crítico

Estive num café no final da tarde.
Muitas pessoas entravam para escapar do frio cortante.
Duas senhoras conversavam animadas sobre pontos de crochê.
A atendente não sentia frio, pois corria de mesa em mesa e a máquina de café funcionava de minuto a minuto.
Um senhor ligava nervoso para alguém e exclamou que não conseguia falar com a namorada. Contou a todos em bom tom que estava namorando, após 5 anos de cicatrização do divórcio.
Animado contou que encontrou uma jovem senhora  e logo pretendia residir com a amada. Descreveu os predicados e sua alegria pelo namoro.
Ao retirar- se  do estabelecimento três homens riram e questionaram como seria a namorada escolhida.
Observei tristemente como os seres humanos, homens e mulheres, gostam de compartilhar tristezas. As alegrias do outro são criticadas.
Pensei a quanto tempo aquele homem ou a mulher permaneceram sozinhos, e de certa forma estavam realmente alegres com o namoro.
Então o olhar crítico daqueles homens demonstra quanto nós ainda temos a evoluir em nossa humanidade.
A capacidade de Amar o outro ainda é difícil. 
Boa noite. My.

4 comentários:

  1. Que triste mesmo. Ninguém pode se alegrar nem por si mesmo e nem por ninguém. Pior é quando isso exite dentro da própria família. Falta confiança na criança e quando ela vira adulta precisa se trabalhar muito nas terapias. Que péssimo esse comportamento.

    ResponderExcluir
  2. A tendência do ser humano é criar defeitos

    ResponderExcluir

Comente aqui: